Desde o início do povoamento, deste bairro, Boa Vista, os moradores católicos freqüentavam a Igreja Senhor Bom Jesus do Cabral ou a Paróquia Santa Cândida. O aumento gradativo da população levou um grupo de fiéis a solicitar a presença de um dos Padres Passionistas da paróquia do Cabral para dar atendimento aos moradores daqui.
      No dia 16 de setembro de 1951, o Pe. Bernardo Maria de Jesus celebrou a primeira missa campal num terreno antes pertencente ao Sr. Abílio Geronasso e que a Mitra Arquidiocesana acabava de adquirir. Continuou depois vindo todos os domingos, celebrar a Santa Missa num altar rústico, diante de um cruzeiro. Quando chovia, a missa era rezada em um galpão do Sr. Eduardo Geronasso. Frei Cláudio Coccolini, dominicano, hóspede dos Padres Passionistas, atendeu a esta comunidade de novembro desse ano até março de 1952. Em maio deste ano o Sr. Bispo Dom Manoel da Silveira D‘Elboux ofereceu aos Padres Dominicanos a possibilidade da fundação de um convento e a direção de uma Paróquia aqui em Curitiba, oferta esta que não pode ser aceita de imediato. Assim, desta data até dezembro de 1954 voltaram os Padres Passionistas.
      Em dezembro de 1953 deu-se início á construção da primeira Igreja, um salão-capela, que agora ali, está servindo como salão paroquial.  No ano seguinte o Sr. Abílio Geronasso fez doação à Mitra Arquidiocesana de mais uma parte do terreno, contíguo ao que já havia.
      No primeiro domingo de dezembro de 1954 voltou frei Cláudio, residindo primeiro no Bom Retiro Santa Cruz, Ahú de cima, depois na sede das Asssociações daquela capela, e em junho de 1955 veio residir num quartinho improvisado ao lado do altar, sem luz e sem água.
      Aos 7 de outubro de 1955, o Sr Bispo expediu o Decreto erigindo canonicamente a Paróquia: "Por este nosso decreto e usando de nossa jurisdição ordinária, havemos por bem criar, como de fato criamos, em territórios desmembrados das Paróquias do Senhor Bom Jesus e Santa Cândida, a Paróquia de Santo Antônio". Nesse mesmo dia, o Senhor Bispo nomeava também o primeiro pároco, frei Cláudio Coccolini: "Havemos por bem nomear, como de fato nomeamos, pela nossa presente portaria, o Revmo Frei Cláudio Coccolini, Vigário da referida paróquia". No dia 9 , já com o salão-capela disponível para uso, mas sem reboco nem forro, na presença do Sr. Bispo foi lido solenemente o decreto da ereção da nova paróquia e dada posse ao novo pároco.
      Frei Cláudio sempre encontrou leigos atuantes entre seus paroquianos, que aos poucos foram organizando os movimentos religiosos. Com o aumento do número de fiéis e de vias de comunicação em maior e melhor qualidade, os habitantes da Paróquia, mobilizados por frei Cláudio, começaram a campanha para a construção de uma nova igreja. Em 1958 ou 59 o arquiteto Carlo Barontini elaborou um projeto moderno e arrojado e já em 1960 começaram os trabalhos para arrecadação de fundos.
      Em 1959, o Sr. Abílio Geronasso fez doação à Ordem Dominicana de mais três lotes do mesmo terreno, e em 1960 a Mitra Arquidiocesana transferiu para a Ordem adquiriu nesse mesmo ano. Com a disponibilização do terreno, foram constituídas as comissões para a arrecadação de fundos. E no dia 18 de junho de 1961 tiveram lugar a bênção e o lançamento da pedra fundamental da nova igreja.
      Daí para a frente foi sendo levantada lentamente a nova Igreja, frei Cláudio trabalhando com suas próprias mãos, e o povo colaborando sempre com tanta generosidade. Em outubro de 1971 – depois de 16 anos de pároco – Frei Cláudio deixou Curitiba. Em abril do ano seguinte frei José Salles tomou posse da paróquia e deu continuidade aos trabalhos da construção. Em 1974 foi colocada a cobertura e em 1975 os vitrais. Em 1979 o forro e a instalação elétrica. Em outubro de 1980, o altar de mármore. Em 1984 as obras estão praticamente completas. Infelizmente não conseguimos determinar com exatidão quando os ofícios litúrgicos deixaram de ter lugar na capela-salão primitiva e passaram para o recinto da nova igreja.
      No final de 1985 frei José João Salles foi acometido por derrame cerebral e frei Eduardo Quirino assumiu a direção da Paróquia, até maio do ano seguinte, quando frei João Basílio foi nomeado pároco. Permaneceu no cargo até fevereiro de 1992, sendo sucedido por frei José Roberto Batista de Oliveira.
      Durante o mandato de Frei José Roberto foi construído o Centro Pastoral atual. Em agosto de 1997 sucedeu-o Frei José Aparecido Pinto  na direção da Paróquia e que permaneceu apenas até maio do ano seguinte. Nesse mês tomou posse Frei Estevão Nunes, que permaneceu como administrador paroquial até fevereiro de 1999. Neste período foi feita a praça da igreja, com as grades.
      Em fevereiro de 1999 chega frei Bruno (frei Edivaldo Antônio dos Santos), que assume a Paróquia e nesse mesmo ano começa a reforma do presbitério da igreja, a sua pintura interna e a melhoria da iluminação. Permanece até início de janeiro de 2001, substituído por Frei Estevão Nunes que retorna.
      Em 2001 foi construída a cozinha nova, em 2002 foi reformado o salão, e agora entregamos esta torre.
      Frei Estevão Permanece como pároco até janeiro de 2005, assumindo em seu lugar frei Marcelo Pimentel que entre outras obras realizadas, reformou todo o estacionamento e jardim da paróquia.  Frei Marcelo permanece como administrador paroquial até outubro de 2007, onde em seu lugar assume Frei Edmilson de Oliveira transferido de Goiânia.
      A generosidade dos paroquianos de Santo Antônio nunca faltou, desde o início, como acabamos de ver. Agora também, foi com a colaboração de todos que esta obra foi levantada. Vocês me perdoem, não podemos citar nomes, primeiro porque foram tantos, segundo porque ao citarmos nomes sempre acabamos cometendo algum esquecimento e por tanto alguma injustiça. Com grandes ofertas em material, em trabalho, em dinheiro, não tivemos dificuldade nenhuma, todos vocês dizimistas também estão aqui presentes nessa obra. Deus conhece um por um, Deus sabe que cada um colaborou com o coração e por isso Deus há ser-lhes a recompensa.